António Pedro Costa (apcosta@ua.pt) e Luís Paulo Reis (lpreis@dsi.uminho.pt) organizaram uma edição especial com artigos de Investigação Qualitativa em Engenharia e Tecnologias. Neste texto partilhamos a nota introdutória publicada nesta edição especial (Costa & Reis, 2017).

A utilização de pacotes de software na análise de dados qualitativos é uma realidade que poucos investigadores conseguem, atualmente, contornar. Alguns investigadores recorrem a soluções não específicas, tais como o Excel ou o Word para a análise dos seus dados qualitativos. Outros, têm a necessidade de indicar, nas suas publicações, que exploraram determinada ferramenta de análise de dados, sem a terem efetivamente utilizado. Independentemente do caminho que o investigador segue, é claro que o uso correto de ferramentas específicas para a análise de dados qualitativos credibiliza o projeto de investigação.

A comunidade acredita que, tal como na utilização de um processador de texto para a escrita de texto, são inúmeras as vantagens no uso destas ferramentas na análise de dados: a) permitem a análise de uma enorme quantidade de dados; b) incluem procedimentos de contextualização e de validação; c) permitem a definição de categorias de forma indutiva e dedutiva, codificação e recodificação, exploração e cruzamento de diferentes formatos de dados (texto, imagem, áudio e vídeo); d) permitem visualizações avançadas dos dados; entre muitas outras (Spannagel, Glaser-Zukuda, & Schroeder, 2005; Lage & Godoy, 2008; Costa, 2016). Identificam-se estas características como possíveis vantagens da utilização deste tipo de software.

Como referem Evers, Silver, Mruck, & Peeters (2011) não existe o melhor software. Cada programa tem as suas vantagens e desvantagens e, por esse motivo, não existe um software melhor do que todos os outros em todas as suas funcionalidades para análise qualitativa. Por conseguinte, é compreensível que os investigadores tenham, muitas vezes, dificuldade em decidir qual o pacote em que investem tempo e esforço de aprendizagem. Por outro lado, Costa, Souza & Souza (2016), no capítulo “Trabalho Colaborativo na Investigação Qualitativa através das Tecnologias”, realizaram um estudo aos participantes do Congresso Ibero-Americano em Investigação Qualitativa (www.ciaiq.org) com o intuito de identificar quais os critérios para a seleção de um software de análise qualitativa. Foi utilizada uma escala de Likert com cinco níveis e 14 critérios pré-definidos. Nas suas respostas, os 362 participantes inquiridos deram mais importância, ou seja, responderam como “Muito Relevante” aos seguintes critérios: “Adequabilidade ao tipo de investigação” (262 respostas), “Adequabilidade ao desenho de investigação” (233 respostas), “Funcionalidades” (230 respostas) e “Usabilidade do software” (223 respostas). Com 200 respostas, os participantes referiram a “Disponibilidade do software na instituição”.

Construção Crânio 41 Espuma Palmilha Vsct Água Eva Tamanho 42 Quadrados Inteira Clássica área Conforto Chinelos De Gráficos Enchimento qgatwU

Elencar as desvantagens no uso destas ferramentas é algo que acompanhou o surgimento destes pacotes de software. Brent (1984) na década de 1980 já mencionava como desvantagem as competências computacionais que os investigadores teriam de adquirir. Gibbs, Friese, & Mangabeira (2002) afirmam que o software é menos útil para abordar questões de validade e confiabilidade nas ideias temáticas que emergem durante a análise de dados. Ryan (2009) concluiu que “os pacotes de software permitem aos investigadores tornar visíveis os processos metodológicos de um estudo e, deste modo, torná-lo mais confiável” (p. 158). Davis & Meyer (2009) sugeriram que é essencial que o investigador aprenda a explorar o software antes de usá-lo no projeto e que não se pode separar o investigador do programa. O investigador decide quais as características e as potencialidades a utilizar e quando e onde aplicá-las.

Por outro lado, existe uma série de críticas que são colocadas ao uso de software na análise de dados qualitativos: a) possibilidade de perder o controlo no processo de codificação; b) confundir a software com a metodologia; c) encorajamento de estruturas de codificação complexas e detalhadas, resultando num excesso de codificação; d) aumento desnecessário da quantidade de dados recolhidos, levando ao risco do comprometimento da análise em profundidade; e) impossibilidade de comunicação entre sistemas (pacotes de software); f) levam os investigadores a utilizar um método particular de análise, de acordo com as características da ferramenta (Lage & Godoy, 2008).Concluímos com uma citação de Brent (1984) que, passadas 3 décadas, continua válida e atual: “A análise de dados qualitativos implica uma série de tarefas aborrecidas e demoradas, das quais a maioria dos investigadores gostaria de escapar. Mesmo o investigador qualitativo mais consciente rapidamente começa a pensar que tais tarefas não são um uso económico do seu tempo. No entanto, essas tarefas exigem fundamentos teóricos sustentados e, portanto, são difíceis, se não impossíveis, de delegar a terceiros” (p. 37) e são também impossíveis de delegar a um pacote de software.

Referências

Brent, E. (1984). Qualitative computing: Approaches and issues. Qualitative Sociology, Núcleo Negro Originais Cristal Tubular Preto Núcleo 2017 Adidas X Sapatos Branco 7(1–2), 34–60. http://doi.org/10.1007/BF00987106

Costa, A. P. (2016). Cloud Computing em Investigação Qualitativa: Investigação Colaborativa através do software webQDA. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, 5(2), 153–161. http://doi.org/10.21664/2238-8869.2016v5i2.p153-161

Costa, A. P., & Reis, L. P. (2017). Vantagens e desvantagens do uso de software na análise de dados qualitativos (Nota Introdutória). Revista Ibérica de Sistemas E Tecnologias de Informação, (23), 9–13.

Costa, A. P., Souza, D. N. de, & Souza, F. N. de. (2016). Trabalho Colaborativo na Investigação Qualitativa através das Tecnologias. In D. N. de Souza, A. P. Costa, & F. N. de Souza (Eds.), Investigação Qualitativa: Inovação, Dilemas e Desafios (1a, pp. 105–127). Oliveira de Azeméis – Aveiro: Ludomedia.

Davis, N. W., & Meyer, B. B. (2009). Qualitative Data Analysis: A Procedural Comparison. Journal of Applied Sport Psychology, 21(1), 116–124. http://doi.org/10.1080/10413200802575700

Evers, J. C., Silver, C., Mruck, K., & Peeters, B. (2011). Introduction to the KWALON Experiment: Discussions on Qualitative Data Analysis Software by Developers and Users. FORUM : QUALITATIVE SOCIAL RESEARCH, 12(1).

Gibbs, G. R., Friese, S., & Mangabeira, W. C. (2002). The Use of New Technology in Qualitative Research. Introduction to Issue 3(2) of FQS. Forum Qualitative Sozialforschung / Forum: Qualitative Social Research; Vol 3, No 2 (2002): Using Technology in the Qualitative Research Process, Cristal Sapatos Preto Branco Núcleo Adidas Núcleo Tubular Originais 2017 Negro X 3(2). Retrieved from http://www.qualitative-research.net/index.php/fqs/article/view/847

Lage, M. C., & Godoy, A. S. (2008). O uso do computador na análise de dados qualitativos: questões emergentes. RAM. Revista de Administração Mackenzie, Tubular Cristal Branco Negro Núcleo Preto Núcleo 2017 Adidas Originais Sapatos X 9(4), 75–98. http://doi.org/10.1590/S1678-69712008000400006

Ryan, M. (2009). Making visible the coding process: Using qualitative data software in a post-structural study. Issues in Educational Research, 19(2), 142–161.

Spannagel, C., Glaser-Zukuda, M., & Schroeder, U. (2005). Application of Qualitative Content Analysis in User-Program Interaction Research. Forum Qualitative Sozialforschung/Forum: Qualitative Social Research, 6(2).

DEIXE UM COMENTÁRIO